segunda-feira, 22 de junho de 2015

Croqui Oficial - SETOR CRUZEIRO

ATUALIZAÇÃO: conforme pode-se perceber, este é um setor extenso cujo acesso está dividido entre muitas propriedades grandes. POR DETERMINAÇÃO DE UM DOS PROPRIETÁRIOS DO ENTORNO, AS ESCALADAS ESTÃO INTERROMPIDAS ATÉ SEGUNDA ORDEM (uma notificação será colocada na entrada). Uma reunião irá acontecer dentro de algumas semanas para alinhar a respeito da prática da escalada por ali e decidir o futuro do setor.

Por ora, agradecemos pela boa conduta de todos que prestigiaram as belas escaladas do Cruzeiro assim como de toda a região, ajudando a preservar os locais e propagando boa imagem do esporte, mostrando que nossa presença como zeladores das áreas naturais de escalada em rocha é um benefício mútuo para todos.



Está no ar a primeira edição do croqui eletrônico de boulders da Pedra do Cruzeiro, em Gonçalves, MG. Acesse nossa página CROQUITECA para baixar (ou clique nas imagens abaixo).

http://yuri.com.br/sumba/Cruzeiro.zip

Desde que idealizei os croquis do Áreas e Rubinho, baseados em bons guias que havia visto até então (Bishop e Bleau), ajustar às tendências me pareceu um próximo passo iminente. Vivemos uma era onde livros impressos estão dando lugar a documentos eletrônicos e os computadores estão cabendo no bolso dos usuários. Pensei então em algo mais interativo, compatível ao celular, um aparelhinho que vejo nas mãos de muitos escaladores hoje em dia. Foi assim que surgiu a idéia deste croqui, aliando inovação à necessidade de documentar a história local e orientar os visitantes.

http://yuri.com.br/sumba/Cruzeiro.zip

Costumo dizer que uma das motivações em desenvolver um novo lugar assim, do zero e com atenção à questão do acesso, é a diluição da visitação entre os setores, a experiência que se ganha no processo com as propriedades particulares, a oportunidade para que outros aprendam junto. Tal postura não surgiu à toa, veio de alguns "baques" inesquecíveis como o incidente de 2011 no Aranha, o incrível e proibido Aranha 2, o fechamento do Serranos. São progressos perdidos, raras descobertas que não se repetem. Seria mil vezes mais fácil (e egoísta) se eu apenas escalasse em segredo com alguns amigos, mas meu lado altruísta deseja que tudo isso possa servir de evolução às próximas gerações, e que elas não tenham um parágrafo desses para escrever no futuro. Certamente somos diferentes uns dos outros, cada qual com suas filosofias para viver a escalada e o estilo de vida que ela proporciona. Respeitemos nossas diferenças. Principalmente lá do outro lado da cerca, onde as pedras ficam.

Ademais, vejo com bons olhos os dias de hoje: a cada temporada que passa, são muitas as novidades em points distintos, graças à atuação da comunidade escaladora. E no caso do Cruzeiro, arrisco dizer que é um dos poucos setores de boulder da região que comporta um número de visitantes acima da média. Contribuem para isso a boa área de estacionamento e os diversos subsetores espalhados. Mais que a quantidade, destaco a qualidade e o potencial evolutivo do setor: apesar do pouco tempo de vida, não será uma surpresa se este setor passar a oferecer a maior concentração de linhas duras e projetos futuristas...

Já me chamaram de louco por não querer vender um guia assim, com editoração profissional - foram mais de 6 meses de trabalho - um design sem precedentes. Eu respondo que faz parte de minha filantropia, pois me sinto em dívida com a escalada que tanto me ensinou e pouco retribuí. Mas aproveito o gancho para apelar por doações: entre em contato pelo nosso formulário e contribua com o nosso caixa que está secando. Pela continuidade dos trabalhos (saiba mais nos posts deste blog)!

Boas escaladas a todos,
Cláudio Brisighello